Pular para o conteúdo principal

Momentos decisivos e trampolins

Autor (es)

Esta página existe em:

Que Deus pudesse comunicar pensamentos em minha mente, hoje em dia, foi uma nova ideia para mim. Eu cresci em uma família cristã e fui crismada na igreja, mas o conceito de que alguém podia obter uma orientação definida da voz interior era novo para mim. Foi algo que pensei que tivesse acontecido apenas com os profetas da Bíblia.

Minha primeira tentativa de dar uma chance a esse momento de silêncio foi quando eu tinha 18 anos. Eu estava em uma conferência em uma vila nas montanhas, chamada Caux, na Suíça, junto com centenas de outras pessoas. Um dos meus colegas de quarto sugeriu que eu pudesse olhar minha vida à luz de padrões morais absolutos - honestidade, pureza, amor e altruísmo absolutos. Isso me levou a uma jornada interior. Tive alguns pensamentos muito claros e simples - e eles não saíram de mim porque não eram coisas que eu desejaria de bom grado.

  1. Ser honesta com meus pais, especialmente meu pai, sobre roubar seus cigarros.
  2. Escrever para uma professora de geografia sobre “colar” em duas de suas provas.
  3. Viver sem me preocupar com o que os outros pensam de mim, principalmente os meus colegas.

Foi uma experiência libertadora e me levou a um caminho onde eu queria viver dentro da vontade de Deus e não da minha (embora nem sempre acerte).

Cerca de seis meses depois, meu namorado sugeriu que precisávamos ver se a vontade de Deus estava no centro de nosso relacionamento. Eu estava com raiva. Eu não queria perdê-lo. Lutei com Deus e me recusei a ouvir, caso fosse algo que eu não quisesse ouvir. Isso durou uma semana. Eventualmente, foi como jogar tênis sozinha e acertar todas as bolas do outro lado da quadra. Ajoelhei-me e pedi a Deus que me mostrasse o que Ele queria. Tão claro quanto qualquer outra coisa, pensei: "Deixe-o (meu namorado) em paz com seu coração e sua vontade, e cuidarei do seu futuro".

Nós terminamos.

Ao mesmo tempo, senti que estava sendo chamada a deixar a faculdade de pedagogia e a trabalhar em tempo integral com o Rearmamento Moral (MRA), agora chamado de Iniciativas de Mudança (IdeM). Fiz isso e me levou a trabalhar em um centro de conferências da MRA na Inglaterra por quase dois anos, e três anos e meio na América do Sul.

Enquanto eu estava em Tirley Garth, um centro de IdeM no noroeste da Inglaterra, uma delegação de sul-africanos  negros e brancos nos visitou. Um dos membros era um médico, o Dr. William Nkomo, que havia participado do início da Liga da Juventude do Congresso Nacional Africano. Não muito tempo antes de sua visita à Inglaterra e Irlanda do Norte, ele teve a experiência humilhante de ter sido atingido no rosto por um policial branco, por uma pequena infração de trânsito. Isso o fez ficar cego de um olho. Eu tinha muito medo de conhecê-lo, sentindo que ele me culparia junto com minha etnia pelo que havia acontecido com ele. No entanto, fui convidada para almoçar com ele e outros sul-africanos presentes e estava sentada ao lado dele. Eu não disse nada durante toda a refeição. No final do almoço, ele se virou para mim e, como um pai carinhoso, disse: "A resposta para a África do Sul virá de pessoas como você, que estão dispostas a lutar muito e não têm medo". Nos próximos anos, já na África do Sul, tentei viver para fazer a diferença, enquanto no sistema do Apartheid, essas palavras eram frequentemente um desafio muito necessário.

Cinco anos depois de romper o relacionamento com meu namorado, Deus nos preparou para o casamento (embora estivéssemos naquele momento, em dois continentes diferentes). Recebi uma carta de Pieter, meu futuro marido, e nos casamos seis meses depois. Isso foi há mais de quatro décadas atrás!

Entre muitas outras aventuras e desafios em nossa vida de casados, fomos convidados a ajudar com o programa de IdeM 'Ação para a Vida' na Índia por quatro meses. Que experiência de fortalecimento foi essa!

Durante esse período, recebi um pedido de um amigo para que eu considerasse me tornar professora de pré-escola num centro Montessore em minha cidade natal, na África do Sul. Depois de muita pesquisa e consulta com a família e os amigos, senti Deus me cutucando com o pensamento: 'Você abriu mão disso por mim  (me tornar professora) todos esses anos atrás. Agora estou devolvendo isso a você. Então, com 50 e poucos anos, comecei a estudar. Meus nove anos trabalhando como professora de pré-escola foram muito gratificantes e eu senti que era uma extensão do chamado que Deus havia colocado em meu coração - que era fazer a diferença vivendo com amor e compaixão. Eu aprendi muito com as crianças; um dia, alguém fora da escola me perguntou qual era a proporção de crianças negras e brancas na escola. Eu não pude responder isso. Eu honestamente não tinha notado. Elas eram apenas crianças enérgicas. Isso, como uma sul-africana, com o passado de separação forçada do Apartheid, foi uma grande emoção para mim.

Outra experiência desafiadora foi há cinco anos, quando recebi o diagnóstico chocante de que tinha câncer de mama. Foi tão inesperado, sem sintomas, o que me levou a acreditar que algo estava errado. De repente, fui confrontada com minha fragilidade e mortalidade inevitável. Desde então, tem sido uma longa jornada de enfrentar medos e ter que decidir repetidamente confiar em Deus. Certamente me ajudou a apreciar a importância do presente e agora,  a apreciar o amor e o apoio da família e dos amigos.

Então, essa tem sido minha jornada até agora - muitos momentos decisivos e trampolins. Que jornada tem sido! Eu me sinto muito abençoada.

Idioma do Artigo

English

Tipo de artigo
Ano do artigo
2018